Blog

My video interviews with Kevin Hartz of Eventbrite and other distinguished innovators

In the beginning of my career as a journalist in print media, I had the opportunity of interviewing big Brazilian names. But it was between 2009 and 2014 that I had the most exciting business adventure I could dream of. Not only did I get to interview some of the most innovative entrepreneurs and investors of the world, I also got to manage a media and events company that, with some lessons learned from these guys, took me to very privileged backstage conversations and collaborating with amazing companies in different countries.

The website where I used to publish such interviews still exists on Startupi.com.br but we sold and exited the operation in 2015. Only some pieces of content are in English but you can activate your browser translation to understand what´s written there.

Without further do, here is a recollection of some conversations that I managed to capture on video. Some videos were not planned but, as a startup blogger, I knew better to at least save for personal reference even when the audio is not well captured.

Below are some of my favorite video interviews with people at Eventbrite, Alibaba, Zendesk, Spotify, Rovio, BuzzFeed, Stanford University, GoPro, Evernote, Prezi, Kaltura, UP Global. Notice: some of these people might have different titles or jobs now and the news shared are not news anymore.

Kevin Hartz, Eventbrite

Alex Tsai, Alibaba

JD Peterson, Zendesk

Gary Liu, Spotify

Peter Vesterbacka, Rovio (Angry Birds)

Scott Lamb, BuzzFeed

Mike Lyons, Stanford University

Nick Woodman, GoPro

Phil Libin, Evernote

Peter Arvai, Prezi

Shay David, Kaltura

Dave Parker, UP Global

5 simple ways to get 25 meaningful conversations this week

This is a story – well, maybe just the start of one – about people like me who don´t always prefer cold, generic, simplified lists over going out into the world and being with people. Sometimes we might come up with a list that allows for a lot of context and meaning. A.k.a. true connection, a.k.a. relationship.

Today, I came up with one of those. It states that this week I am going to:

  • say congratulations to these 5 people who I noticed did something worthy: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • say thank you to these 5 people who have somehow helped me out: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • ask please to these 5 people who can help me: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • ask can I help you to these 5 people who I think need a hand at something: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • invite these 5 people to do something cool (preferably not just the usual coffee meeting talk about business; change that for an ice cream and it becomes different): __________, __________, __________, __________ and __________.

And then I am going to have 25 meaningful conversations with meaningful people. I can do one task from each list everyday so I get a variety and I can make it work really simple by focusing on only 1 of each category. Who cannot come up with names for such lists? And what are the surprises hidden behind each act of connecting? Of course, quality matters more than numbers. Does holding the door for someone or other ordinary things count in that list? That´s up to each one; I think a successful, happy life is a consistent succession of small things that are great together.

Steve Jobs – Ask

"Most people never pick up the phone and call."- Steve Jobs

Posted by Goalcast on Tuesday, December 13, 2016

If I can pull this off and make it a habit, maybe I don´t ever need to worry about lists again, including to-do lists. This could be good especially for those who are customer discoverers or business developers in general. But more than that: this is just how life goes, I guess. Anyone can be happy when they have 25 meaningful conversations in a week. I think the world would already be a better place for everyone if we could have 5 of these, one of each category. If I do that on purpose. I think it is important to build a world around recognizing good deeds, gratitude, support and fun.

5 ways to connect

When that becomes an automatic behavior, a modus operandi, I don´t even need to remember the list. It´s not about writing lists or having them checked. This hack is about nudging myself into nudging other people. I decided to share this not because I find it original or breakthrough. I just find it a good perspective about life, a good way to “plan” what you are going to do in a week, how your life is going to be like.

Following this idea for a year would give me 52 weeks of 5 to 25 meaningful moments. These add up to potentially 1,300 very welcome interactions! That is a strong perspective in a world of intrusion and lack of attention! Even if I take 2 weeks off (and don´t have any meaningful connections during those) and only made 5 connections every other week, at least I got 250 of those. Make any of those things everyday and you have meaning 365 days in a year, everyday in your life.

What a week, what year, what a life!

Going B is the new going big: leaders become bcorps and bcorps become public companies

For years I have been advocating on something that even the corporate mastermind Michael Porter calls “the case for letting business solve social problems”. We should do it not just because it can be profitable, but because businesses have efficiency at scale whereas nonprofits have efficacy – and government, well, has to trade off.

Luckily for me and you, everyone and the planet, and luckily for capitalism itself, there is a worldwide movement called B Corporations that supports and certifies companies which employ a series of progressive practices. Criteria include taking better care of workers, community, clients and the world at large – embracing economical, social and environmental benefits. Some governments already have regulated the incorporation of such special businesses that intend to be the best for the world (that´s how they believe they become the best in the world).

Going B: who is certified

“You may say I´m a dreamer, but I´m not the only one”: the official directory lists 2026 certified b corps accross 130 industries in 50 countries. Only in Brazil, where I come from, 45 companies have certified as #bcorps and they are not only nonprofits: the list includes the giant Natura, investment firm Vox Capital and famous web startups like Geekie and 99jobs. In Canada, where I am living, there are 170 certified b corps. The list includes famous brands like the Ian Martin Group, the Business Development Bank of Canada (BDC) and the social media technology champion Hootsuite – which is poised for an IPO.

Going big: trading publicly through IPO

Speaking of publicly traded companies, February 2017 saw the Laureate Education benefit corporation raise USD 490 million by offering its shares in the Nasdaq stock market. The world famous e-commerce platform Etsy is also a certified b corp and a public company.

It all means “don´t do evil”, planting a tree or volunteering some hours is not enough to do good and to do well. The world, management and capitalism have all evolved so much in the past decade in order to respect requirements and foster true prosperity. Now it is time to evolve our mindset, our skillset and our public debate. We are past a matter of doubting whether going good works and pays off. Because, honestly, how many companies grew and became public and are not that well or interesting for the world.

Going #bcorp is the new going big. Big as in tough, big as in bold, big as in great.

Depois da Era dos Unicórnios, startups entram na Era das Baratas

Há alguns anos, analistas acreditavam que startups não atingiriam valor de mercado de 1 bilhão de dólares. Aí, uma ou outra começaram a criar porte e atravessar a marca, e passaram a ser chamadas de unicórnios (em alusão aos seres míticos dos quais não se tinha prova de existência). Hoje, a Fortune lista 174 unicórnios , o CB Insights lista 157 unicórnios, o VentureBeat lista 229 unicórnios, CrunchBase/Techcrunch listam 162. De qualquer forma, independentemente da quantidade, é inegável que tais startups míticas existem. Entretanto, devido a controvérsias atreladas aos objetivos, métodos e consequências de precificações tão elevadas, o MarketWatch analisou um declínio do interesse por unicórnios em fevereiro – e 90% das startups unicórnios estão em perigo, diz um dos primeiros investidores do Facebook.

Os investidores de capital empreendedor passaram a buscar um tipo de ser bem menos fofinho. O animal que apelida as startups preferidas atualmente são geralmente repulsivos: baratas! Isso mesmo: de acordo com o Business Insider, o bicho startupeiro da vez são as cucarachas, cockroaches. Insetos que rastejam e, para desespero ainda maior de muita gente, chegam a voar! Mas não é pela repulsa, pelo rastejo ou pelo vôo que as startups-baratas atraem interesse. Por serem baratas, ao contrário de caras? Boa tentativa, mas não é por isso.

O que uma barata tem de mais precioso? Especialmente no que diz respeito a startups imersas em incertezas? Os insetos baratas sobrevivem em condições realmente muito difíceis. Resiliência é seu esporte diário. Enquanto uma startup unicórnio foca em crescer, crescer, crescer, uma startup cucaracha foca em sobreviver à economia e ao mercado, mantendo controle sobre receitas, lucros e o fluxo de caixa de uma maneira geral. Para as baratas, o importante é sobreviver às condições climáticas – o que fazem muito bem, minimizando o risco do negócio e do investimento. Afinal, é necessário sobreviver para “lutar mais um dia”, fazer qualquer ajuste que tenha de ser feito (e não é o crescimento que dá essas condições).

Em setembro de 2015, uma fundadora do Flickr já tinha escrito sobre startups em um artigo chamado de A Era das Baratas. Em fevereiro deste ano, o CEO do Mixpanel já dizia que o principal desafio da empresa era aprender a sobreviver como uma barata. Talvez o conceito de uma barata se assemelhe menos a uma startup e mais a um “negócio comum”, que no Brasil já é pejorativamente conhecido como “lifestyle business”.

Não recolhi este monte de links para dizer como tudo vai ser daqui pra frente, nem cagar regra, nem julgar o que é melhor ou quem está fazendo direito. Só quero avisar que, ao sair galopando seu bem-alimentado ego bilionário imaginário por aí, cuide para não pisar nas baratas. Não que isso faça diferença pela sensibilidade delas: faz diferença pela sua sensibilidade.

Abjs.!

“Hackear” a cultura para manter a inovação viva na empresa

Nesta quarta-feira, 16 de março de 2016, alunos da escola de insights MeuSucesso.com poderão conferir minha aula sobre Cultura de Inovação, que gravei a convite da Alice Sosnowski, líder de conteúdo pedagógico (e realizadora dO pulo do gato), e do Sandro Magaldi, CEO da empresa – muito obrigado pelo convite e confiança!

O foco da aula parte de uma pergunta feita pelo Gustavo Caetano, fundador da Samba Tech e personagem do documentário que embasa a atual temporada na escola: como manter a inovação viva na empresa? O próprio Gustavo abriu um leque de respostas no seu documentário: o caminho para isso passa por cabeça, processos e cultura.

Clique aqui para ver minha aula sobre Cultura de Inovação, no MeuSucesso.

Eu escolhi cultura (organizacional) porque acredito que ela faz a ligação entre a cabeça (mindset, mentalidade da pessoa) e o processo (da equipe ou da empresa). Venho me dedicando especificamente ao tema Cultura de Inovação desde 2015: é o foco dos projetos internos e de clientes que realizo por meio do Grupo TV1 e foi o tema do meu trabalho de conclusão no MBA em Estratégia, que cursei na FGV.

De growth hacking a culture hacking

Venho observando que o Marketing vem fazendo cada vez mais coisas que antes ficavam para Vendas. De certa forma, “fazer mercado”, que é o verdadeiro sentido do Marketing, vem se provando mais do que uma atividade de suporte a Vendas. Neste contexto, emergiu uma séria de novas práticas, que são abordadas coletivamente como Growth Hacking ou Marketing Exponencial. Ao mesmo tempo, ouve-se falar em organizações exponenciais (conceito promovido por Ismail Salim), empreendedorismo de alto impacto e cultura de alta performance (ou de resultados).

cultura_de_inovacao

Se analisarmos cada um dos conceitos e dermos um passo ao lado, podemos fazer que, juntos, perfazem o que podemos considerar como uma mudança na cultura organizacional, mas fundamentadas não apenas naquilo que o Conselho determina como Visão, ou no que a área de Pessoas define como Valores – muito menos em Políticas, Sistemas e Processos. Estou falando da famosa frase “a cultura come a estratégia” (significa que, por mais que você planeje coisas ideais, o jeito como as coisas são feitas no dia-a-dia pode estragar com qualquer plano – esta é a importância de manter uma boa cultura, voltada a inovação).

Acontece que esta questão da cultura organizacional também vem sendo reformulada por diversos profissionais em diversas empresas. Andei me correspondendo com Robert Richman, que foi estrategista de cultura na Zappos e no Google, deu workshops e palestras em inúmeros lugares e escreveu o livro Culture Blueprint. Como é possível ver no vídeo baixo, Robert explica como é possível “hackear” uma cultura de trabalho.

O conceito de hackear uma cultura organizacional, para que seja “melhor” (ou voltada à inovação) é parecido com o de qualquer hacker (de crescimento ou de software): identificar pontos de tensão (“problemas”), imaginar uma forma resourceful (“criativa”) de fazer uma interferência que possa alterar o comportamento daquele ponto do sistema. De preferência, uma forma focada, concentrada, que use o menor esforço para obter o maior resultado (mudança cultural) possível. Uma incisão, uma cutucada (nudge).

Lembrando: cultura é a forma como se cultiva o trabalho no dia-a-dia. Não a forma como se “cultua” frases de efeito nem a forma como se estabelece estratégias, políticas, metas e processos. É o que, de fato, acontece no meio social e simbólico da equipe, da empresa.

Explicação da foto de baixo: resolvi desenhar um canvas de proposta de valor na parede do Grupo TV1, aí uma colega veio perguntar a respeito, aí veio outra (ambas Renatas!) e acabamos conversando durante 2 horas e 30 minutos sobre inovação – em pleno horário de almoço de uma sexta-feira! Literalmente, estávamos cultivando a inovação, criando laços emocionais entre nós e com o tema, instalando no trio uma capacidade diferente de encarar as coisas (empresa, clientes, problemas, oportunidades, projetos) e modelá-las de forma diferenciada. Mudou a forma como encaramos o trabalho, temos uma cumplicidade que não seria facilmente conquistada com alguma atividade oficial, deliberada, planejada. Comentei este caso (e outros) com o Robert Richman e ele concordou que se trata sim de um culture hack. Que assim seja!

 

O que faz uma vida boa? Lições do maior estudo sobre felicidade do mundo

A Universidade de Harvard vem fazendo um estudo sobre felicidade há 75 anos. Eles estão acompanhando a vida de 724 pessoas (60 delas desde sua adolescência até seus 90 anos), tanto pobres quanto estudantes da instituição. Agora, estão estudando também 2 mil filh@s dessas pessoas.

O que o estudo revela, por meio de entrevistas, exames, e outros métodos, é que uma vida boa é feita de bons relacionamentos sociais. Me fez lembrar de uma frase: o amor não mantem bons relacionamentos, mas boas formas de relacionar mantem o amor. Não lembro quem falou. O fato é que o estudo comprovou: bons relacionamentos protegem a saúde física, emocional, o cérebro e deixam as pessoas viverem mais tempo.

Descobri sobre esse estudo assistindo minha dose diária de vídeos no site ted.com. Assista você também, pode selecionar legendas em português (clique em subtitles). Pode assistir aqui embaixo.

Aproveitando que hoje é o primeiro dia do ano: desejo ótimos relacionamentos e uma vida boa a todos familiares, parentes, amigos, colegas, leitores e as pessoas que vocês gostam!

Samsung, Anprotec e CCEI chamam startups de economia criativa para apoio e aporte de R$ 140 mil

Meu amigo Antonio Marcon, gerente de pesquisa e desenvolvimento na Samsung, me contou sobre um edital que a empresa de tecnologia está lançando juntamente com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e o Centro Coreano de Economia Criativa e Inovação Daegu (CCEI). As inscrições estão abertas até 16/11/2015.

Trata-se de um programa de cooperação de 5 anos de duração que, em 2016, vai dar aportes de R$ 140 mil e apoios diversos a startups que atuam com Economia Criativa. Os recursos vem de renúncia fiscal por meio da Lei da Informática. O programa tem uma fase piloto, na qual as incubadoras de empresas credenciadas junto ao Comitê da Área de Tecnologia da Informação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (CATI/MCTI) e certificadas nesse programa para a gestão dos recursos provenientes da Lei de Informática, foram selecionadas para executarem a primeira etapa das atividades previstas. A partir de 2016, novas incubadoras serão selecionadas para aplicar o modelo em larga escala, com ciclos semestrais ou anuais de chamadas.

As áreas de interesse do programa são:

  • Saúde digital
  • Educação digital
  • Segurança e Privacidade para dispositivos móveis & Internet das Coisas (IOT)
  • Experiência, soluções, conteúdos e serviços
  • Sistemas de pagamento mobile
  • Novos serviços ou produtos que contribuam para parceria entre as operadoras de telefonia celular e seus usuários
  • Wifi calling

A startup candidata precisa ser incubada ou graduada (no máximo há dois anos) ou manifestar o compromisso de ser incubada em uma das incubadoras de empresas selecionadas na fase piloto do Programa, a saber:

  • Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de São Paulo – (CIETEC)
  • Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS – RAIAR
  • Incubadora Tecnológica de Campina Grande – (ITCG)
  • PROINE – Programa de Incubação de Empresas da UFG

Leia o edital neste link e submeta sua inscrição neste outro link até 16/11.

A ciência que eu faço, a ciência que os brasileiros fazem

Hoje fui ver o portal da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que este ano tem como tema Luz, Ciência e Vida e acontece de 19 a 25 de outubro em todo Brasil. A iniciativa do MCTI permitiu que a sociedade criasse atividades (debates, palestras e outros) a serem incluídas na programação e o Rio de janeiro foi o estado campeão na quantidade de atividades, seguido de Pernambuco e Minas Gerais. São Paulo só teve míseras 4 atividades.

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Fora essas informações, achei uma outra coisa bem bacana! Trata-se do projeto A ciência que eu faço, descrita como uma série de entrevistas em formato de filmes de curta duração, voltadas para professores e estudantes do ensino fundamental e do ensino médio, mostrando a ciência que se faz no nosso país, em especial, as pesquisas que estão sendo realizadas nas Unidades de Pesquisa ligadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação ou, financiadas pelas agências ligadas ao MCTI.

Além de depoimentos pessoais, os entrevistados falam de suas trajetórias profissionais, falam de escolhas e do despertar para uma carreira científica. Essa é uma iniciativa do MCTI, com o apoio do seu Departamento de Popularização e Difusão da Ciência e Tecnologia da Secretaria de C&T para Inclusão Social e do Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST.

O projeto conta com depoimentos de vários adolescentes, adultos e idosos, que contam sobre como se interessaram e passaram a se envolver com as ciências. No site, a navegação é dividida por área do conhecimento (ciências exatas da terra, engenharias, humanas, entre outros). Fiz uma playlist com os vídeos, assista!

Diego, Bruno, Mario

Como participei da equipe que venceu a hackathon da FIESP na categoria Cadeia produtiva

Muitos de vocês estavam lá no evento segunda à noite quando o Paulo Skaf anunciou a IOTility como vencedora da categoria destinada à indústria. Eu tinha acabado de fazer nosso terceiro pitch da competição e definitivamente não estava acreditando tanto quando as pessoas da hackathon falavam que tinham adorado 🙂

Minha maior preocupação era fazer parte da visão que vim desenhando com meus amigos e colegas no MBA de Estratégia Bruno Gellert e Mario Melo, dois baita engenheiros e desenvolvedores de negócio que, mesmo em 20 anos de trabalho, 6 deles com foco em inovação, poucas vezes encontrei. Acabou que acabamos emplacando uma tese de “inteligência para produtividade compartilhada” – e sabemos o que isso vale e o que isso não valida.

Demos entrevista pro Jornal Nacional da Globo (veja) e pro Jornal das 10 da Globo News (veja), também aparecemos no DCI. Muitos empreendedores, empresários, investidores e gente bacana em geral já nos cumprimentou e chamou para conversar nesses dois dias que se passaram. Muitos querem saber se vamos tocar o projeto.

Em primeiro lugar, o protótipo integrado de hardware e software que apresentamos estava funcional. Em segundo lugar, estamos conversando uma visão macro com profissionais de diferentes indústrias há vários meses, mapeando muita coisa, fazendo muita coisa com a própria mão. A aplicação prototipada no final de semana – com colaboração do Rodrigo Piris e do Erivelto Ribeiro – é uma das várias conjugações de um caminho que podemos trilhar com esmero.

Participei assim: tendo um bom momento com meus amigos, conhecendo novas pessoas, revendo o pessoal do Comitê Acelera Fiesp, encarando desafios, sendo propositivo-proativo-positivo. E assim permaneço. Não significa que todo resto vai parar agora já, nem de minha parte nem da parte deles. Significa que estratégia é algo que se estuda, se comunica, se faz, se ajusta, se pilota.

Falando em pilotar: estamos em fase de projetos-piloto com nossas teses. Cada um com seu papel, do seu jeito. Se chegamos até aqui, foi por navegarmos entre pessoas. Se vamos a algum lugar, será da mesma forma.

Só sei que, no começo do ano, quando vendemos o Startupi (outra equipe), eu não planejei nem imaginei que eu seria um cara de hardware, ou do meio fabril. Também não visualizei que ia empreender com colegas de MBA. Estratégias emergentes, certo? Quem sabe?! Aguardem mais capítulos – e muito obrigado por todo apoio até aqui!

empreendedorismo inovador como criar startups de tecnologia no Brasil

Amostra do nosso livro “Empreendedorismo inovador: como criar startups de tecnologia no Brasil”

Já faz um tempo que me juntei a uma turma bem experiente e entendida para compilar um livro que vale por vinte e quatro: cada capítulo de “Empreendedorismo Inovador: como criar startups de tecnologia no Brasil” é o resumo do que que há de mais importante para um empreendedor iniciante (ou aspirante) entender.

O capítulo onde participo chama-se “A diversidade do bootstrap: 12 formas de capitalizar seu negócio sem um investidor”. O livro já tem um tempo, mais de ano, mas as dicas ainda valem – sei disso porque as pessoas ainda perguntam isso, dia sim, dia não. A Editora Évora liberou um trecho do livrode forma digital e gratuita, quem quiser pode ler abaixo (ou baixar).

Sim, realmente mapeamos 12 formas diferentes de capitalizar um negócio sem um investidor! Cada uma das 12 formas tem um pró e um contra, mais uma recomendação de uso, e ainda comentários de profissionais reconhecidos pelo mercado. É praticamente uma wikipedia colaborativa, quase um facebook dos investimentos. Procure mesmo! Este da foto é o meu, cheio de anotações, que ainda consulto com frequência.

Comentei sobre este post nessa transmissão que fiz via Periscope. Na ocasião, o @marceloj sugeriu que o próximo fosse sobre planejamento. Ainda não sei quando vai ser.

[slideshare id=51568610&doc=empreendedorismoinovadoramostra-150813025604-lva1-app6892&type=d]

diego techcrunch