5 simple ways to get 25 meaningful conversations this week

This is a story – well, maybe just the start of one – about people like me who don´t always prefer cold, generic, simplified lists over going out into the world and being with people. Sometimes we might come up with a list that allows for a lot of context and meaning. A.k.a. true connection, a.k.a. relationship.

Today, I came up with one of those. It states that this week I am going to:

  • say congratulations to these 5 people who I noticed did something worthy: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • say thank you to these 5 people who have somehow helped me out: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • ask please to these 5 people who can help me: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • ask can I help you to these 5 people who I think need a hand at something: __________, __________, __________, __________ and __________;
  • invite these 5 people to do something cool (preferably not just the usual coffee meeting talk about business; change that for an ice cream and it becomes different): __________, __________, __________, __________ and __________.

And then I am going to have 25 meaningful conversations with meaningful people. I can do one task from each list everyday so I get a variety and I can make it work really simple by focusing on only 1 of each category. Who cannot come up with names for such lists? And what are the surprises hidden behind each act of connecting? Of course, quality matters more than numbers. Does holding the door for someone or other ordinary things count in that list? That´s up to each one; I think a successful, happy life is a consistent succession of small things that are great together.

Steve Jobs – Ask

"Most people never pick up the phone and call."- Steve Jobs

Posted by Goalcast on Tuesday, December 13, 2016

If I can pull this off and make it a habit, maybe I don´t ever need to worry about lists again, including to-do lists. This could be good especially for those who are customer discoverers or business developers in general. But more than that: this is just how life goes, I guess. Anyone can be happy when they have 25 meaningful conversations in a week. I think the world would already be a better place for everyone if we could have 5 of these, one of each category. If I do that on purpose. I think it is important to build a world around recognizing good deeds, gratitude, support and fun.

5 ways to connect

When that becomes an automatic behavior, a modus operandi, I don´t even need to remember the list. It´s not about writing lists or having them checked. This hack is about nudging myself into nudging other people. I decided to share this not because I find it original or breakthrough. I just find it a good perspective about life, a good way to “plan” what you are going to do in a week, how your life is going to be like.

Following this idea for a year would give me 52 weeks of 5 to 25 meaningful moments. These add up to potentially 1,300 very welcome interactions! That is a strong perspective in a world of intrusion and lack of attention! Even if I take 2 weeks off (and don´t have any meaningful connections during those) and only made 5 connections every other week, at least I got 250 of those. Make any of those things everyday and you have meaning 365 days in a year, everyday in your life.

What a week, what year, what a life!

Going B is the new going big: leaders become bcorps and bcorps become public companies

For years I have been advocating on something that even the corporate mastermind Michael Porter calls “the case for letting business solve social problems”. We should do it not just because it can be profitable, but because businesses have efficiency at scale whereas nonprofits have efficacy – and government, well, has to trade off.

Luckily for me and you, everyone and the planet, and luckily for capitalism itself, there is a worldwide movement called B Corporations that supports and certifies companies which employ a series of progressive practices. Criteria include taking better care of workers, community, clients and the world at large – embracing economical, social and environmental benefits. Some governments already have regulated the incorporation of such special businesses that intend to be the best for the world (that´s how they believe they become the best in the world).

Going B: who is certified

“You may say I´m a dreamer, but I´m not the only one”: the official directory lists 2026 certified b corps accross 130 industries in 50 countries. Only in Brazil, where I come from, 45 companies have certified as #bcorps and they are not only nonprofits: the list includes the giant Natura, investment firm Vox Capital and famous web startups like Geekie and 99jobs. In Canada, where I am living, there are 170 certified b corps. The list includes famous brands like the Ian Martin Group, the Business Development Bank of Canada (BDC) and the social media technology champion Hootsuite – which is poised for an IPO.

Going big: trading publicly through IPO

Speaking of publicly traded companies, February 2017 saw the Laureate Education benefit corporation raise USD 490 million by offering its shares in the Nasdaq stock market. The world famous e-commerce platform Etsy is also a certified b corp and a public company.

It all means “don´t do evil”, planting a tree or volunteering some hours is not enough to do good and to do well. The world, management and capitalism have all evolved so much in the past decade in order to respect requirements and foster true prosperity. Now it is time to evolve our mindset, our skillset and our public debate. We are past a matter of doubting whether going good works and pays off. Because, honestly, how many companies grew and became public and are not that well or interesting for the world.

Going #bcorp is the new going big. Big as in tough, big as in bold, big as in great.

Somos todos casos especiais

Já me perguntaram se meu sobrenome Remus é lido com pronúncia francesa, como Camus. Ficaria algo como “Cami”. Bem, eu já ouvi desse jeito, mas foi raro.

Pensando em Albert Camus, fui buscar umas frases dele e encontrei essas, bem interessantes.

All modern revolutions have ended in a reinforcement of the power of the State. (Todas as revoluções modernas acabaram reforçando o poder do Estado).

As a remedy to life in society I would suggest the big city. Nowadays, it is the only desert within our means. (Como remédio para a vida em sociedade eu sugeriria a cidade grande. Hoje em dia, este é o único deserto a nosso alcance).

Don’t walk behind me; I may not lead. Don’t walk in front of me; I may not follow. Just walk beside me and be my friend. (Não ande atrás de mim; talvez eu não conduza. Não ande na minha frente; talvez eu não siga. APenas ande ao meu lado e seja meu amigo).

Nobody realizes that some people expend tremendous energy merely to be normal. (Ninguém compreende que algumas pessoas gastam uma energia tremenda meramente para serem normais).

One leader, one people, signifies one master and millions of slaves. (Um líder e um povo significa um mestre e milhões de escravos).

Real generosity toward the future lies in giving all to the present. (A verdadeira generosidade para com o futuro consiste em dar tudo ao presente).

The need to be right is the sign of a vulgar mind. (A necessidade de estar certo é o sinal de uma mente vulgar).

The only real progress lies in learning to be wrong all alone. (O único progresso verdadeiro consiste em aprender a estar errado sozinho).

The society based on production is only productive, not creative. (Uma sociedade baseada em produção é apenas produtiva, não criativa).

Those who lack the courage will always find a philosophy to justify it. (Aqueles que tem falta de coragem vão sempre encontrar uma filosofia que justifique).

We are all special cases. (Somos todos casos especiais).

Contribuindo para a realização coletiva de projetos transformadores

A missão do Benfeitoria.com.br é transformar gente do bem em benfeitores, transformar a intenção em ação. Gostei muito deles quando conheci um dos 4 responsáveis,  o Dorly Neto, no dia seguinte à entrega do Prêmio iG Startups. Isso sem contar que existem outras plataformas no Brasil e no mundo que permitem que você doe dinheiro – que só será repassado para os responsáveis pelos projetos caso o total requisitado seja angariado. O diferencial do Benfeitoria é que você pode se voluntariar para contribuir de forma não financeira e que a plataforma não cobra comissão.

Hoje eu contribuí com dinheiro para o projeto Fotolibras, de inclusão comunicativa de surdos: um coletivo que quer imprimir um livro com fotos de libras (sinais utilizados para comunicação com surdos). Abaixo estão os links para quem quiser conhecer o projeto e ajudar a realizá-lo!

http://benfeitoria.com.br/_projeto/widget.php?cd=177
[vimeo http://www.vimeo.com/34051403 w=600&h=401]

Pretendo apoiar um projeto a cada mês. Vamos ver se esta moda pega.

Ok, tenho milhares de amigos, mas quem eu conheço?

Conhece o fulano? Sabe quem ele é?

Todos os dias faço perguntas assim – e fazem perguntas assim pra mim. Afinal, além de curioso, sociável e interessado sou também jornalista, blogueiro, consultor, palestrante, curador, pesquisador e apontado como o cara que está há mais tempo escrevendo sobre startups brasileiras (inclusive com uma série de investidores e empreendedores estrangeiros que chegam por aqui perguntando com quem devem conversar). Ah, claro, sem contar os perfis sociais com as atualizações de status por meio de frases, fotografias, vídeos, perguntas e respostas, posts, etc.

Aos 30 anos, posso dizer que faz muito tempo que comecei a investigar quem eu sou, e a deixar quem eu sou fluir solto, exercitando a atenção. Ainda aprendo com isso. Ainda erro. Sobre as outras pessoas, também. Quanto mais longe vamos, mais próximos estamos de morder a própria cauda – e como eu tenho as portas abertas, devo mesmo ter deixado a cauda na porta. Mas além disso, ou antes disso, independentemente da histeria de contar ao mundo sobre nossa vida _________ (preencha como quiser), procuro um desapego das paixões, ficando só com o amor (e olhe lá – eu disse isso só pra soar mais cachorrão e menos piegas). 

Li isso e quero compartilhar: http://www.psychologytoday.com/blog/unthinking/201112/how-know-another-person

“Vá brilhar, diamante maluco”: um fluxograma de como levar uma vida criativa

Quando vi o Martin Scorcese na capa da Fast Company, com a manchete “Como levar uma vida criativa”, pensei com a carteira: comprei! E li um pouquinho. Mas achei umas coisas tão incríveis que fui procurar online só para compartilhar com vocês.

A primeira, e talvez principal dessas coisas, é um infográfico de fluxograma sobre, obviamente, como seguir uma vida criativa. Talvez seja criativo seguir o fluxograma (o slogan diz “vá brilhar, diamante maluco”). Talvez criativo seja não seguir. Fato é: vale a pena brincar de sair desse labirinto!

Confira na íntegra aqui. Depois me conta quais você já fez – ou vai fazer!

 

Minha “to be” list para um Dia Mínimo Viável

Ultimamente as pessoas andam falando de Produtos Mínimos Viáveis, uma nova forma de abordar protótipos, desta vez levando em conta primeiramente a forma como as pessoas reagem com relação às premissas de um novo produto ou negócio.

Concordo que há uma sabedoria em “quem não vive para servir, não serve para vivier” e uma em “servir é amar, amar é servir“, mas também há uma sabedoria em “o ser humano deve ser humano”, não ser produto nem produtivo (invenção útil e importante da religião, reinventada pelo estado e depois pelo capitalismo). Mas não conseguimos ficar fora disso – o mercado abraça tudo, entregamos até nossa vida para consumo.

O mundo dos Produtos Mínimos Viáveis está cheio de “checklists” (listas de verificação), especialmente “to do” lists (listas do que fazer). Fiquei imaginando como seria um Dia Mínimo Viável na minha vida e concluí que tudo parte do princípio de que preciso me preocupar em como ser e estar, depois em o que fazer.

Neste sentido, como seria uma “to be” list (lista de como ser), com noções básicas de como devo ser diariamente?

  • ser matutino e aproveitar o dia desde cedo
  • ser higiênico e cuidar do corpo
  • ser grato e agradecer por algo ou alguém (que seja pelo novo dia ou por mim, ou pelo mundo) – mesmo que esta gratidão seja apenas um pensamento breve
  • ser bem-humorado e mobilizar energias positivas
  • ser saudável e alimentar o corpo
  • ser responsável
  • ser sustentável
  • ser feliz
  • ser amável
  • ser amado.

Assim, depois de apto para ser e estar, o dia já fica viável para conviver, criar, fazer, ter. E daí podem surgir listas de semanas mínimas viáveis, meses, trimestres, semestres, anos, décadas…

O que você acha? Já sentiu quando seu dia parece mais o de um indivíduo autônomo ou de um autômato individual? Quais fatores passam essas impressões? O que não pode faltar na sua “to be list”? O que não pode faltar no seu mínimo dia viável?